Return to the talk Return to talk

Transcript

Select language

Translated by Gustavo Rocha
Reviewed by Luiz Eduardo Cerquinho Cajueiro

0:12 Um chip, um poeta e um garoto.

0:17 Há uns 20 anos atrás, Junho de 1994, quando a Intel anunciou que havia um defeito no núcleo de seu chip Pentium Bem no meio do código do algoritmo SRT para calcular quocientes intermediários necessários em pontos flutuantes iterativos de divisões Não sei o que isso significa, mas é o que diz na Wikipedia houve um defeito e um erro isso significa que havia uma certa probabilidade de que o resultado de um cálculo estaria errado, e a probabilidade era de uma a cada 360 bilhões de cálculos Então a Intel disse que sua tabela comum estaria falha uma vez a cada 27 mil anos Eles não achavam que isso era significativo, mas houve uma revolta na comunidade. A comunidade, os techies disseram, esse defeito deve ser discutido. Eles não ficariam parados em siliêncio enquanto a Intel lhes dava esses chips. Então houve uma revolução ao redor do mundo. As pessoas marcharam exigindo -- okay, não foi exatamente assim -- mas elas se levantaram e exigiram que a Intel consertasse o defeito. E a Intel destinou 475 milhões de dólares para financiar a substituição de milhões de chips para consertar o defeito. Então bilhões de dólares em nossa sociedade foram gastos para resolver um problema que poderia ocorrer em um a cada 360 bilhões de cálculos

1:42 Número dois, um poeta. Esse é Martin Niemöller. Vocês conhecem sua poesia. No auge do período nazista, ele começou a repetir os versos "Primeiro eles vieram pelos comunistas, e eu não fiz nada, não abri a boca porque não era comunista. Então vieram pelos socialistas. Eles vieram pelos sindicatos. Eles vieram pelos judeus. E então vieram por mim. Mas não havia ninguém para falar por mim." Agora, Niemöller está oferecendo um certo tipo de ideia. Essa é uma ideia no centro da inteligência. Poderíamos chamá-la de "ter noção" É um tipo de teste: Você consegue reconhecer uma possível ameaça e responder? Você consegue se salvar ou salvar sua espécie? Acontece que as formigas são muito boas nisso. As vacas, nem tanto. Então você consegue ver o padrão? Consegue ver um padrão e então reconhecer e fazer algo sobre isso? Número dois. Número três, um garoto. Esse é meu amigo Aaron Swartz. Ele é amigo de Tim. Ele é amigo de muitos de vocês na plateia, e há sete anos, Aaron veio com uma pergunta para mim. Foi logo antes de eu dar minha primeira palestra TED. Eu estava tão orgulhoso. Eu lhe contava sobre a minha palestra, "Leis que sufocam a criatividade". E o Aaron me olhou e estava um pouco impaciente e disse, "Então como você vai resolver os problemas de que você está falando? Direitos autorais, política de Internet, como você vai resolver esses problemas sendo que há essa corrupção central no modo que nosso governo funciona?"

3:23 Então eu fiquei um pouco desanimado com isso. Ele não compartilhava da minha felicidade. E eu lhe disse: "Sabe, Aaron, não é meu campo, não é meu campo."

3:31 Ele disse: "Você fala como acadêmico, não é o seu campo?"

3:34 Eu disse: "Isso, como acadêmico, não é o meu campo."

3:37 Ele disse: "E que tal como cidadão? Como cidadão."

3:43 Aaron era assim. Ele não afirmava. Ele fazia perguntas. Mas suas perguntas falavam tão claramente quanto o abraço do meu filho de quatro anos. Ele me dizia: "Você tem que ter uma noção. Você precisa ter uma noção, porque há uma falha no núcleo do sistema operacional desta democracia, e não é uma falha a cada 360 bilhões de vezes que nossa democracia tenta tomar uma decisão. É toda vez, em cada assunto importante. Precisamos acabar com a "bovinidade" desta sociedade política. Precisamos adotar, pelo jeito, a palavra é atitude mirmecina -- é o que a Internet diz -- a atitude apreciativa das formigas que nos leva a reconhecer essa falha, salvar nossa espécie e nosso povo.

4:36 Se vocês conhecem Aaron Swartz, vocês sabem que o perdemos pouco mais de um ano atrás. Foi cerca de seis semanas antes de eu dar minha palestra TED, e eu fiquei muito grato ao Chris que ele me convidou a dar essa palestra TED, não porque eu tive a chance de falar com vocês, embora isso tenha sido ótimo, mas porque me tirou de uma enorme depressão. Não poderia nem começar a descrever a tristeza. Porque eu tinha que me concentrar. Tinha que me concentrar no que eu iria falar a vocês. Ela me salvou.

5:10 Mas depois do agito, da animação, o poder que vem dessa comunidade, eu comecei a ansiar por um jeito menos estéril, menos acadêmico de abordar esses assuntos, os assuntos de que eu estava falando. Começamos a focar em New Hampshire Como alvo para esse movimento político, porque a eleição primária em New Hampshire é importantíssima. Era um grupo chamado New Hampshire Rebellion que começava a falar sobre como nós tornaríamos esse assunto da corrupção importante em 2016 Mas foi outra alma que captou minha imaginação, uma mulher chamada Doris Haddock, conhecidda como Granny D. No dia 1º de janeiro de 1999, há 15 anos, com 88 anos, Granny D iniciou uma caminhada. Ela partiu de Los Angeles e começou a caminhar até Washington D.C. com um único aviso em seu peito que dizia: "reforma do financiamento de campanha". 18 meses depois, com 90 anos, ela chegou em Washington com centenas de seguidores, incluindo muitos congressistas que pegaram um carro e dirigiram cerca de dois quilômetros fora da cidade para chegar com ela. (Risos)

6:27 Bem, eu não tenho 13 meses para caminhar pelo país. Tenho três filhos que odeiam caminhar, e uma esposa que, por acaso, ainda odeia quando eu não estou lá por razões misteriosas, então essa não era uma opção, mas a pergunta que eu fiz, que tal remixar Granny D um pouco? Que tal uma caminha não de 5.000 quilômetros mas de 300 quilômetros por New Hampshire em janeiro?

6:54 Então, no dia 11 de janeiro, o aniversário de morte de Aaron, nós iniciamos uma caminhada que terminou no dia 24 de janeiro, o dia em que Granny D nasceu. Um total de 200 pessoas se uniram a nós durante a caminhada, Enquanto íamos do ponto mais alto ao mais baixo de New Hampshire conversando sobre esse assunto. E, para mim, o mais surpreendente, o que eu absolutamente não esperava encontrar foi a paixão e a ira que havia em todo mundo com que falávamos sobre o assunto. Nós descobrimos, numa pesquisa, que 96% dos americanos acreditam que é importante reduzir a influência do dinheiro na política. Bem, políticos e peritos nos dizem que não há nada que possa ser feito a respeito, os americanos não se importam com isso, mas a razão disso é que 91% dos americanos acham que não há nada que possa ser feito a respeito. E é a diferença entre 96 e 91 que explica essa política de abandono. Afinal de contas, pelo menos 96% de nós queria poder voar como o Superman, mas porque pelo menos 91% de nós acredita que não podemos, nós não pulamos do topo de prédios toda hora que temos aquela vontade. É porque aceitamos nossos limites, e é a mesma coisa com essa reforma. Mas quando damos o senso de esperança às pessoas, começamos a derreter aquele senso absoluto de impossibilidade. Como disse Harvey Milk, se você dá esperança, você dá uma chance, um jeito de pensar em como essa mudança é possível. Esperança. E esperança é a coisa com que nós, amigos de Aaron, faltamos a ele, porque nós o deixamos perder o senso de esperança. Eu amava aquele menino como amava meu filho. Mas nós falhamos com ele. E eu amo meu país, e não vou falhar com ele. Não vou falhar com ele. Esse senso de esperança, nós vamos manter, e vamos lutar por isso, por mais impossível que pareça a batalha.

9:18 E depois? Bem, nós começamos com essa marcha de 200 pessoas, e ano que vem, haverá mil em rotas diferentes que vão marchar em janeiro e se encontrar em Concord para celebrar esta causa, e então em 2016, antes da eleição primária, haverá 10 mil marchando pelo estado, encontrando-se em Concord para celebrar esta causa. E à medida que marchávamos, as pessoas em todo o país começaram a dizer, "Será que podemos fazer o mesmo em nosso estado?" Então lançamos uma plataforma chamada G.D. Walkers, ou seja, caminhantes Granny D, e caminhantes Granny D em todo o país marcharão por essa reforma. Número um. Número dois, nessa marcha, um dos fundadores do Thunderclap, David Cascino, estava conosco, e ele disse, "Bem, o que podemos fazer?" Eles então desenvolveram uma plataforma, que estamos anunciando hoje, que nos permite reunir eleitores que estão comprometidos com essa ideia de reforma. Independente de onde você estiver, em New Hampshire ou fora de lá, você pode se inscrever e ser informado diretamente onde estão os candidatos nesse assunto para poder decidir em quem votar como função do que vai tornar realidade essa possibilidade. E então finalmente, número três, o mais difícil. Estamos na era do Super PAC De fato, ontem, a Merriam anunciou que o Merriam-Webster vai ter Super PAC como uma palavra. Agora é oficialmente uma palavra no dicionário. Então no dia 1º de maio, conhecido como May Day, nós vamos fazer uma experiência. Vamos tentar lançar aquilo que podemos considerar um Super PAC para acabar com todos os Super PACs E basicamente, vai funcionar assim: ano passado, nós trabalhamos com analistas e experts políticos para calcular quanto custaria ganhar votos suficientes no Congresso dos Estados Unidos para tornar a reforma central possível. Qual é o número? 500 milhões? Um bilhão? Qual é o número? E então o número que for, nós vamos iniciar um tipo de kickstart porque não se pode usar o KickStarter para política, mas enfim, um tipo de kickstart, primeiro uma campanha de base onde as pessoas farão pequenos compromissos financeiros dependendo de atingir objetivos bem ambiciosos, e quando esses objetivos tiverem sido alcançados, vamos abordar os grandes contribuintes financeiros para arrecadar deles e possibilitar que executemos o tipo de Super PAC necessário para vencer essa discussão, para mudar a maneira como o dinheiro influencia a política, e isso no dia 8 de novembro, que eu descobri ontem que é o dia em que Aaron completaria 30 anos, no dia 8 de novembro, nós vamos celebrar 218 representantes no parlamento e 60 senadores no senado dos Estados Unidos que se comprometeram com essa ideia da reforma central.

12:24 Então, ontem à noite, nós ouvimos sobre desejos. Aqui vai meu desejo: Um de maio. Que as ideias de um menino unam uma nação atrás de uma ideia crítica de que somos um só povo, somos o povo a quem foi prometido um governo, um governo que foi prometido depender somente das pessoas, o povo, que, como Madison nos disse, não significava os ricos mais do que os pobres. Um de maio. E vocês, que vocês possam se unir a esse movimento, não porque são políticos, não porque são especialistas, não porque esse é seu campo, mas porque se vocês são, você é um cidadão. Aaron me pediu isso. Agora eu a peço a vocês.

13:24 Muito obrigado.

13:26 (Aplausos)