Return to the talk Return to talk

Subtitles and Transcript

Select language

Translated by Alessandro Almeida
Reviewed by Bruno Gil Gonçalves

0:12 Levantem as mãos, quantos de vocês têm um robô em casa? Não muitos. Ok, e quantas dessas mãos, se vocês não incluírem o Roomba, quantos de vocês têm um robô em casa? Alguns. Tudo bem, é esse o problema que nós estamos a tentar resolver na Romotive, que eu e os outros 20 nerds da Romotive estamos obcecados em resolver.

0:32 Nós queremos construir um robô que qualquer pessoa possa utilizar, quer tenha 8 ou 80 anos. Como seria de esperar, é um problema bastante complicado, porque temos que construir um robô pequeno, portátil o que não é assim tão acessível, mas tem que ser algo que as pessoas queiram levar para casa e ter ao pé das suas crianças. Este robô não pode ser assustador ou estranho. Ele deve ser amigável e atraente.

0:56 Então conheçam o Romo. O Romo é um robô que usa um dispositivo que vocês já conhecem e adoram — o seu iPhone — como cérebro. E aproveitando o poder do processador do iPhone, nós podemos criar um robô que dispõe de um Wi-Fi e duma capacidade de visão computacional, por 150 dólares, o que é aproximadamente 1% do que este tipo de robôs custava no passado.

1:24 Quando o Romo acorda, ele está no modo criatura. Neste momento ele está a utilizar a câmara de vídeo no dispositivo para seguir o meu rosto. Se eu me baixar, ele vai-me seguir. Ele é cauteloso, vai manter os olhos em mim. Se eu vier para aqui, ele vai-se virar para me acompanhar. Se eu vier para aqui... (Risos) Ele é inteligente. E se eu me aproximar demasiado dele, ele fica assustado como qualquer outra criatura. O Romo é como um animal de estimação que tem mente própria. Obrigado, amigo. (Espirro) Santinho!

1:59 Se eu quiser explorar o mundo — oh-oh, o Romo está cansado — se eu quiser explorar o mundo com o Romo, posso ligá-lo a qualquer outro dispositivo iOS. Então, aqui está o iPad. Romo vai transmitir o vídeo para esse dispositivo. Assim posso ver tudo o que o Romo vê e ver o mundo do ponto de vista do robô. Esta é uma aplicação gratuita na App Store. Se vocês a tivessem no telemóvel, podíamos neste momento partilhar o controlo do robô e jogarmos jogos.

2:23 Vou mostrar-vos rapidamente, Romo está a transmitir vídeo, estão a ver-me a mim e a toda a audiência TED Se eu me puser em frente do Romo aqui. Se eu o quiser controlar, basta guiá-lo fazê-lo andar à roda. Posso tirar fotos a vocês todos. Sempre quis fotografar uma audiência TED de 1500 pessoas Vou tirar uma foto. E tal como vocês deslizam pelos conteúdos num iPad, eu até posso ajustar o ângulo da câmara no dispositivo. Portanto, aqui estão todos vocês pelos olhos do Romo. E finalmente, como o Romo é uma extensão de mim, eu consigo expressar-me pelas emoções dele. Eu posso entrar e dizer vamos tornar o Romo empolgado.

3:05 Mas a coisa mais importante sobre o Romo é que nós queríamos criar algo que fosse completamente intuitivo. Não é preciso ensinar ninguém como comandar o Romo. De facto, quem é que gostaria de guiar um robô? Ok. Fantástico. Aqui vamos nós. Obrigado, Scott.

3:24 E ainda mais porreiro, nem sequer é preciso estar no mesmo local geográfico do robô para o controlar. Na verdade, ele transmite áudio e vídeo entre quaisquer dispositivos inteligentes. Podemos fazer log in através do browser, é tipo um Skype sobre rodas. Há bocado falou-se de telepresença, e este é um exemplo espetacular. Vocês imaginam uma menina de 8 anos, por exemplo, que tem um iPhone, e a mãe dela compra-lhe um robô. Essa menina pode pegar no iPhone, colocá-lo no robô, mandar um email à avó, que mora no outro lado do país. a avó pode fazer log in naquele robô e brincar às escondidas com a neta. durante 15 minutos todas as noites, quando, doutro modo, só podia ver a sua neta uma ou duas vezes por ano.

4:03 Obrigado, Scott.

4:05 (Aplausos)

4:10 Estas são as coisas mais espetaculares que o Romo pode fazer hoje mas queria encerrar falando sobre algo que nós estamos a trabalhar no futuro. Isto é algo que um de nossos engenheiros, Dom, construiu num fim de semana. É construído sobre um framework aberto da Google chamado Blockly. Isso permite arrastar e soltar estes blocos de código semântico e criar qualquer comportamento que quisermos para este robô. Não é preciso saber criar um código de comportamento para o Romo. Até podemos similar esse comportamento no browser, que é o que Romo está a fazer à esquerda. E se houver algo que gostem. podem fazer o download para o robô e executá-lo na vida real, correr o programa na vida real. E se houver algo de que se orgulhem, podem partilhar isso com qualquer pessoa no planeta que possua um robô. Todos estes robôs com Wi-Fi aprendem uns com os outros.

4:53 Estamos tão focados na construção de robôs que toda a gente possa treinar porque achamos que os casos mais convincentes de uso na robótica pessoal são pessoais. Eles mudam de pessoa para pessoa. Então, pensamos que se vocês vão ter um robô em casa, esse robô tem de ser uma manifestação da vossa própria imaginação.

5:11 Gostava de poder contar-vos como será o futuro da robótica pessoal. Para ser honesto, eu não faço ideia. Mas o que sabemos é que não são dez anos ou 10 mil milhões de dólares, nem um gigante robô humanoide à distância. O futuro da robótica pessoal está a acontecer hoje e vai depender de robôs pequenos e ágeis como o Romo e da criatividade de pessoas como vocês. Mal podemos esperar que todos vocês tenham robôs para ver o que vocês construíram.

5:39 Obrigado.

5:41 (Aplausos)